Lajedinho realiza audiência pública para apresentar projeto de instalação de fábrica de cimento

Na próxima sexta-feira, dia 28 de abril, às 9h, o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos – INEMA, realizará em Lajedinho uma Audiência Pública para apresentar à população o estudo ambiental referente ao “Projeto Lajedinho”, da CPX Baiana. A ideia é debater sobre a extração do calcário para a fabricação de cimento em responsabilidade da mineradora.

A cidade baiana receberá nos próximos anos uma das mais modernas fábricas de cimento do Brasil. O empreendimento conta com as mais sustentáveis tecnologias disponíveis no mundo, hoje utilizadas pelas novas fábricas na Europa e Estados Unidos. Elas garantem a preservação do meio ambiente e geram produtos de alta qualidade que abastecerão as lojas de materiais de
construção da Bahia e outros estados do Nordeste.

São equipamentos com alta eficiência energética, resultando em baixo consumo de energia elétrica e de combustível. Tem filtros de grande potência, que retêm 99,9% do pó gerado, o que significa um processo produtivo limpo com tecnologias que permitirão um consumo de água 40% menor que em uma fábrica de cimento convencional e de mesmo porte.

O baixo consumo de água é assegurado também pelo método de fabricação de cimento, que será pela via
seca. A água será obtida exclusivamente de poços profundos dentro da própria fazenda da empresa, que serão suficientes de acordo com estudos hidrogeológicos.

O tratamento dos efluentes sanitários, por sua vez, será integral, numa Estação de Tratamento de Esgoto (ETE).

Quem passará pela estrada sequer verá a fábrica ou a mina, que ficarão protegidas atrás de um morro e pela vegetação presente no entorno, não impactando qualquer unidade ou área de preservação.

Isto também servirá como barreira natural ao som, preservando a qualidade de vida das populações mais
próximas. No local não foram encontradas espécies ameaçadas.

Nenhuma caverna será afetada pelo empreendimento. O estudo de cavernas foi completo, e inclusive já foi apresentado em um congresso de especialistas no assunto.

A implantação desta fábrica tem o potencial de revitalizar a economia dessa região do semiárido, uma das mais carentes do estado da Bahia, pois uma fábrica de cimento pode impulsionar uma ampla gama de negócios que vão de postos de gasolina, oficinas e borracharias para atender os caminhoneiros a serviços de hotelaria, alimentação, segurança, uniformes etc. Isso sem falar
no fortalecimento da construção civil na Bahia, que ainda precisam trazer cimento de outras regiões do país para garantir seu consumo.

Estudos preliminares da CPX Baiana apontam também a existência de cerca de 8.000 lojas de material de construção e pequenas indústrias na Bahia e Sergipe, que devem beneficiar-se diretamente com um melhor atendimento na qualidade e
na entrega do cimento, trazendo, desta forma, ganhos para toda a cadeia da
construção até o cliente final.

A nova fábrica de cimento deverá entrar em operação em até dois anos e meio após o início de suas obras. Durante o pico da fase de construção, podem ser gerados até dois mil empregos. Já na fase de operação, serão cerca de 200
empregos diretos e outros 600 indiretos.

Para assegurar que o máximo possível das vagas sejam preenchidas por moradores dos municípios próximos
ao empreendimento, a empresa formalizará parceria com o SENAI para qualificação e treinamento específicos.
O projeto foi apresentado para representantes da população em oficinas

realizadas em Lajedinho, Povoado de Simpatia, Ibiquera e Wagner. Nessas reuniões, que antecederam a Audiência Pública, os participantes puderam conhecer os detalhes do empreendimento e tiveram a oportunidade de
esclarecer dúvidas.

Audiência Pública
· Dia: 28 de abril
· Horário: 9h
· Local: Ginásio Poliesportivo Cidadania – Bairro Francisco Soares –
Lajedinho/BA

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *