A luta para salvar o Rio Utinga é intensificada na Chapada Diamantina

A situação do Rio Utinga, na Chapada Diamantina, tem se tornando cada vez pior com a escassez de água, devido a vários fatores que vem contribuindo para agravamento do problema. Além da prolongada seca e a grande captação de água para irrigação, o mais grave é o assoreamento, que vem causando entupimento do rio fazendo com que a água seja desviada do seu curso normal, em muitos pontos se tornando áreas de brejo em meio às taboas. Em uma análise conjunta através dos secretários de agricultura dos municípios vizinhos, o Inema e Policia Ambiental, foram detectados vários pontos críticos de assoreamento que estão impedindo a água de chegar aos ribeirinhos até o povoado de São José no município de Lençóis que há vários dias não veem uma gota d´água nem mesmo para o consumo humano.

Após a análise, aconteceu uma audiência dia 31 de Janeiro, no Ministério Público de Lençóis/Ba com o Promotor de Justiça, Dr. Thiego de Oliveira Matos, a fim de buscar soluções emergenciais para o gravíssimo problema do Rio Utinga. Estiveram presentes os Srs. Alexandre Ataíde da Silva, especialista em meio ambiente e recursos hídricos no INEMA; CAP Bruno Pimentel Garrec da CIPPA; Helder Leite, vereador do município de Wagner, integrante da comissão para acompanhar a crise hídrica do rio; Juvenal Teodoro Payaya, cacique dos índios Payaya e dos nativos da Cabeceira do Rio; Vanderlei Almeida de Souza, Secretário de Agricultura de Wagner; Rafael Maia dos Reis, Secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Utinga; Rosângela Mendonça Teles, secretária de Meio Ambiente de Lençóis; Dário Magalhães, Secretário de Meio Ambiente e Turismo de Andaraí.

Na audiência ficou decidido que a primeira ação seria fazer a limpeza do rio, obstruindo canais que desviam a água para reservatórios particulares. Diante desta decisão nova reunião foi realizada na última quinta-feira (2), com agricultores, comerciantes e a população em geral e organizaram um mutirão para executar os trabalhos. Os agricultores e comerciantes da região cederam parte dos seus funcionários para ajudar na limpeza, o movimente foi acompanhado pelo Inema e a Polícia Ambiental.

A ação aconteceu sexta-feira (3) nas proximidades da localidade denominada “Pega”, onde estão os pontos mais críticos de assoreamento, pois a água está se perdendo em meio às taboas e causando um grande brejo dificultando a decida da água. Segundo o Secretário de Agricultura de Utinga, Rafael Maia, na ação de ontem deu para perceber que o problema é mais grave do que se imaginava e vai precisar de uma ação muito mais forte para que o caso seja solucionado. Maia relatou que havia cerca de oitenta pessoas no local e não conseguiram identificar o leito real do rio, “nós precisamos tomar providências urgentes, precisamos da presença da imprensa para registrar o que está acontecendo, vou conversar com o prefeito (Joyuson Vieira de Utinga/Ba) para buscarmos soluções para o problema”, disse.

Por Sandro Alcântara

Foto/reprodução facebook

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: